Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SIMPLESMENTE AVÔ

Pedaços do dia-a-dia

SIMPLESMENTE AVÔ

Pedaços do dia-a-dia

18.09.20

FALAR COM AS ARVORES


simplesmente...

WIN_20200404_18_10_02_Pro.jpg

 

É o vento, avô

 

Diz-se que, em tempos idos , os homens falavam com os animais.

 

Na actualidade, os aborígenes falam com as plantas.

 

Sabemos que as plantas comunicam entre elas , não por impulsos eléctricos como nós, mas por reacções químicas.

 

Por isso, as reacções delas (plantas) são mais lentas.

 

Tenho desde miúdo a mania de que as plantas comunicam comigo.

 

Um belo dia de sol, tranquilo e doce, estava sentado com as minhas duas Netas numa esplanada em Oeiras, rodeado de belas árvores.

 

- Rita, estás a ver estas árvores, tão paradas? O avô vai falar com elas e vais ver que elas se mexem.

 

Fixei o olhar nas copas das árvores e, num murmúrio doce, pedi-lhes encarecidamente que se mexessem.

 

Vários minutos escorreram sobre nós e sobre as copas das tranquilas árvores.

 

De repente, as copas começaram a mexer-se e, momentos depois, desataram numa dança alegre e buliçosa.

 

Virei-me para a Rita:

 

- Vês, as árvores já se mexem!

 

- Oh, avô! É o vento! – respondeu ela.

 

Ficámos por aqui.

 

Não sei se alguma coisa desta invulgar cena ficou gravada nos neurónios da criança.

 

Pode ser que, mais tarde, ela se lembre e conclua que, afinal, as plantas em geral e as árvores em particular não são assim tão diferentes de nós, como erradamente ainda pensamos.

 

4 comentários

Comentar post