Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SIMPLESMENTE AVÔ

Pedaços do dia-a-dia

SIMPLESMENTE AVÔ

Pedaços do dia-a-dia

23.06.20

INVISIVEL, MORTIFERO, IMPREVISÍVEL


simplesmente...

por do sol.jpg

 

Audaces fortuna juvat

 

             Entrou sem pedir licença e instalou-se rapidamente por todo o lado, provocando a morte de muitos milhares de seres humanos.

             É invisível aos olhos nus, pelo que muito boa gente – sobretudo nova – chega a duvidar da sua efectiva existência.

             Provoca mortes horríveis por todo o Planeta, horrorizando os nossos melhores Médicos, Peritos e Investigadores das mais variadas áreas do conhecimento.

             É inovador, pelo que, em boa verdade, ainda ninguém sabe como lhe pôr definitivamente termo.

             É imprevisível, pois, quando todo o mundo pensa que, em determinado local, está extinto, reaparece com redobrado vigor, alimentando vagas imensas de intenso terror.

             Parece atingir sobretudo os seres humanos mais idosos e mais vulneráveis, cujos sistemas imunitários reagem com dificuldade aos seus assaltos.

             Provoca, por isso, um estranho estado de excessiva euforia entre as pessoas mais novas das comunidades, que parecem convencidas de que estão milagrosamente imunes aos efeitos destrutivos de tal criatura.

             Não estranho, pois, as recentes aglomerações de gente nova, espalhada um pouco por todas as cidades, comemorando alegremente o fim dos confinamentos.

             De nada vale a palavra autorizada dos Peritos, chamando a atenção para a situação mais frágil dos familiares (pais, avós e colaterais), que, por motivo da avançada idade e/ou de patologias de diversas índoles, correm o risco de ser inelutavelmente infectados pelos filhos e pelos netos.

             É talvez verdade que a fortuna protege os audazes (fortuna audaces juvat), mas, nestas raras e mortíferas circunstâncias, bom seria que todos os nossos Jovens fossem claramente sensibilizados para as perigosas consequências das suas insensatas comemorações.

             Mas … salvo o devido respeito, isto não se consegue só com multas!

 

6 comentários

Comentar post