Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SIMPLESMENTE AVÔ

Pedaços do dia-a-dia

SIMPLESMENTE AVÔ

Pedaços do dia-a-dia

27.07.20

O REGABOFE


simplesmente...

mafra2.jpg

 

Mafra é uma vila asseada, ordeira e respeitadora.

 

Durante os dias de semana, os Mafrenses passeiam-se pelas ruas, pelas vielas, pelos becos, pelos jardins, pelas esplanadas, pelos estabelecimentos comerciais, em regra com a máscara antivírus posta no rosto.

 

Por isso, até há pouco tempo, o concelho de Mafra, não obstante estar perto de Lisboa, quase não tinha pessoas infectadas pelo covid19.

 

No entanto, mal  o confinamento foi levantado, logo a Vila começou a ser invadida, aos fins-de-semana, por forasteiros, vindos sobretudo da Área da Grande Lisboa.

 

Vêm em grupos familiares, com os filhos e os cãezinhos; em equipas informais de ciclismo; em ruidosos aglomerados de motos as mais diversas.

 

E por aqui estão às sextas-feiras à tarde, aos sábados e aos domingos, deambulando pelas praças, pelos jardins, pelas esplanadas, pelas pastelarias; rua acima, rua abaixo; cerveja aqui, bica acolá – tentando  provavelmente libertar-se das tristezas dos dias cinzentos passados nas periferias da Capital.

 

Até aqui tudo bem: Portugal é de todos nós e, desde o fim do confinamento, a liberdade de circulação é direito quase sagrado.

 

No entanto, o que espanta, é que, dentre estas centenas ou milhares de forasteiros em modesto gozo de fim-de-semana, quase ninguém usa máscara.

 

Organizam-se, de rostos descobertos, em largas filas de mesas e cadeiras nas esplanadas, falam, riem, tossem, divertem-se – como se o coronavírus não existisse.

 

É tudo muito estranho, mas é bem verdade.

 

Parecem todos ( eles e elas) convencidos de que aqui, em Mafra, ninguém infecta ninguém: esta maravilhosa Vila estará tão bem abençoada que, pelos vistos, o novo coronavírus foge dela como o Diabo foge da cruz.

 

Porém,  quanto a mim , abstenho-me de, aos fins-de-semana, frequentar o centro da Vila, desta forma evitando misturar-me nesta bizarra acumulação de gente hiper feliz, ultra bem disposta, bueda descontraída – rostos abertos aos bons ares aqui dos montes e ali do mar da Ericeira.

 

É que, confesso humildemente, ainda tenho algum receio do novo vírus...

 

É verdade que não o vejo …

 

Mas tenho quase a certeza que ele, a tudo indiferente, continua a “andar por aí”, infectando a torto e a direito quem para tal se põe a jeito, pois, na ordem natural das coisas, é esta a função vital deste novo parasita.

 

regabofe.jpg

 

 

 

 

 

2 comentários

Comentar post